segunda-feira, 18 de julho de 2016

SAUDADES DE UM SONHO

                                                                                                                                               
                     SAUDADES DE UM SONHO
                                                 
                                                       

                Dizem os sábios e os esotéricos que devemos deixar para trás o passado.
                Não consigo! Não que no passado viva, mas vez por outra dele vivo, quando me lembro com saudade de um amor, de um momento ou história vivida ou quase vivida por ter, na bifurcação escolhido ou sido levada a escolher outro caminho.
                Aquele ou aqueles que eu ou o destino descartamos, ficaram no mundo dos sonhos e tão mais prazerosos! Justamente e talvez, por não os termos percorrido passo a passo, ficaram com gosto de saudade e com a esperança  do que teriam ou que poderiam ter sido  melhores! Idealizados!
                Vivi! Como vivi! Entretanto o que deixei de viver, vive em mim fazendo fusquinha ou embalando sonhos, preenchendo vazios.
                Alguns sonhos mais constantemente sonhados e lembrados, conjecturados, mais coloridos com as tintas da saudade, esses tem nome, alguns de vivos, outros alcançam dimensões diversas, mas continuam tão fortes, tão vívidos!
                Vívidos e prazerosos, tentadores, apaixonantes, mas não vividos ou realizados! Apenas o foram até certo ponto do caminho e depois desviados, descartados, surrupiados pela sorte ou desdita.
                Como dizer que de sonhos ou de saudade não se vive? Pode-se até não viver, mas como alimentam sonhos  e preenchem lembranças mesmo que não se viva ou se alimente apenas delas. Fazem parte de momentos do viver entre um acontecimento ou outro e aproveitam qualquer brecha para se impor agradavelmente, trazendo nostalgia e gosto de vidas não vividas, apenas pressentidas, sonhadas e perdidas, quem sabe arquivadas ou em provetas, dormentes e embrionárias.
                Lembretes ou casulos, à espera de outros tempos e oportunidades?
                Sonhos sonhados, vidas não vividas ou por viver, quem sabe? São mistérios que se insinuam e com eles convivemos, sonhando sonhos bons, acalentadores, que emprestam encantos quando nos sentimos esquecidos em um canto, ou à deriva no descampado da vida que se perde no vazio e na dinâmica da modernidade virtual!

                                                       Mariza C.C. Cezar
                                                      

                                                                                 
                                                                                     
                                                                                                                               

5 comentários:

Maria Luiza De Paula Tasso disse...

Mariza,muito lindo.Não viva no passado mas apegue-se nos sonhos.
"Não se desfaça dos sonhos
Pois se os sonhos perecem
A vida é um pássaro de asas partidas
Que não pode voar."

Langston Hughes

Adoro tudo que você escreve e posta.Esse Sonhos,poema,toda hora me vem á memória,para justamente,como diz o poeta"quando os sonhos se vão a vida é um campo infecundo".
Um grande abraço.

Maria Luiza De Paula Tasso disse...

Mariza,muito lindo.Não viva no passado mas apegue-se nos sonhos.
"Não se desfaça dos sonhos
Pois se os sonhos perecem
A vida é um pássaro de asas partidas
Que não pode voar."

Langston Hughes

Adoro tudo que você escreve e posta.Esse Sonhos,poema,toda hora me vem á memória,para justamente,como diz o poeta"quando os sonhos se vão a vida é um campo infecundo".
Um grande abraço.

Flávio Tallarico disse...

Minha cara amiga Mariza. Você descreveu muito bem o que é o passado, na vida de cada um. Não podemos conviver diuturnamente com tudo que nos aconteceu no passado. Não podemos desprezar tudo porque, queiramos ou não, vão fazer parte de nossa vida. O mais importante entretanto, como você tão bem destacou, é priorizar os sonhos. Bons ou maus, eles alimentam a nossa existência e vão se prolongar até o futuro. Mais uma vez você nos traz sabedoria em suas deliciosas crônicas.

Artista disse...

Mariz Querida, é realmente muito bom esse texto sobre Sonhos e vc fez a exata colocação dos sonhos na realidade atual pois somos no presente produto do que vivemos no passado. Gostei demasiadamente da sua citação de que também ficam na memória aspectos não vividos...coisas inacabadas....Espero que os sonhos de hoje, com a ajuda dos já passados, te ajudem sempre a otimizar o seu futuro!

Carlos Gama disse...

Excelente memorial, minha cara Mariza!
Ótimas e profundas reflexões sobre a realidade em que vivemos.
Afinal, de sonhos também se vive e sobrevive, pois a vida sem eles seria vazia.
Parabéns!