domingo, 24 de janeiro de 2016

A TERRA...



                                                                                                                                                                           
                                                          A TERRA...






                A Terra está doente!
                 Pobre Terra está sofrida, judiada, explorada, desrespeitada e vilipendiada!
                O nosso Planeta Azul está se congelando, incendiando, derretendo, está sofrendo e chorando o desrespeito, a afronta, o abuso e descaso!
                Chora Terra, chora aqui e se consome e arde toda ali e arrasta em seu choro e revolta, terras, árvores ,cimento, carros e vidas e ardendo, se incendeia e ergue-se mais adiante em ardores e clamores mudos, mas com eloquentes e dançantes línguas de fogo, labaredas e ondas tóxicas e de negras e densas fumaças a tudo envolver e sufocar, a todos engasgando, cegando, irritando, olhos, brônquios, pulmões!
                São matas devastadas, povoados arrastados, vidas sacrificadas, civilizações destruídas e o sacrifício de gerações arrasado em cinza, lama ou pó!
                Invadidas e ultrajadas foram suas vastas extensões de terra, águas, matas, na verdade sua alma terra  e ninho, seu celeiro, seu barro artesanal do qual se erguiam moradias  e monumentos, seus extensos pastos e animais dos mais diferentes espécimes, suas florestas  cheias de vida, ricas de sombras, animais, frutos e flores embaladas pelo cantar do vento e dos pássaros, o grito da hiena, o rugir das feras, o compasso macio dos felinos e a algazarra dos macacos de galho em galho de árvore em arvore!
                O cristalino das águas límpidas, transparentes umas, calmas ou caudalosas outras, formando diáfanas cortinas nas quedas das águas, densas barreiras líquidas que se atropelam respingando em tudo e todos ao entorno e que enlevam a reverentes êxtases que nos fazem sentir como que em batismo atávico!
                No entanto se ali corre líquida ou lamacenta, barrosa a tudo arrastando, carregando, destruindo e jogando no mar que se faz poluído, adiante seca e árida, greta, racha, se parte e se reparte assolada e se esvai em sede e fome!
                Mais adiante ainda a Terra, se em outro ponto a ventania a congela, se cobre e atapeta de gelo que a tudo mata, queima, quando vendaval violento e descontrolado, a tudo arranca e assola, devasta!
                Nossa casa, sagrado lar! Geia, Gaia, Mãe Natureza, nosso abrigo, nosso chão! O que fizemos com o nosso berço?
                Que triste e inconsequente a nefasta ganância do bicho homem!
                Conta a história que Nero o Imperador Romano matou á sua Mãe e todos nos horrorizamos quando estudamos isso, mas não somos todos matricidas? Nossa ignorância e doente sede de poder nos levou através dos séculos a conquistar e a “plantar nossas bandeiras” em longínquas terras! Desbravamos mares em busca de novas terras e de suas riquezas, descobrimos continentes, conquistamos imensas áreas, aniquilamos povos e extinguimos raças e culturas! A tudo e a todos impomos inconsequentes e pretensiosos a nossa cultura, tão despida de alma e de amor!
                Se até á Lua fomos e agora “garimpamos” Marte!
                Até aonde e até quando levaremos morte e destruição em nome de Deus e da Cultura?
                Esse enorme ego humano não nos deixa ver que temos nos comportado não apenas como uma peste infame, assassinos do planeta e da humanidade, suicidas e matricidas inconsequentes!

                                           Mariza C.C. Cezar
                                                     

                                                     
                                                                                                 
 

                                                    

                                                                                                      


6 comentários:

Flávio Tallarico disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Flávio Tallarico disse...

Minha querida amiga: concordo plenamente com sua revolta. O homem está agindo como Nero: matando a mãe terra.Você conseguiu sintetizar bem esta destruição em sua crônica. Parabéns.

jouvana whitaker disse...

a dor que nos revolta. Sim tb somos culpados por deixar nossa casa assim, aceitamos as facilidades e não pensamos nas consequências.
Quando a ficha cai, dói por dentro, sim somos pequenos e a revolta chega.
Hj vemos de perto, todo o estrago sabemos as consequências, mas e a ganância???
Infelizmente por conta da ganância e poder, chegamos ao limite.
a nossa mãe tá triste...
Bom seria se todos se unissem p um mundo melhor!!!

Carlos Gama disse...

Minha cara Mariza, essa revolta que se expressa em palavras escritas e em imagens bem descritas, é a voz de uma alma desperta e bem entrada nos caminhos da evolução.
São tristes essas sendas que trilhamos e é revoltante a forma como encaramos e destruímos a Natureza.
Todavia, sempre teremos a oportunidade de rever os nossos atos, quando a Mãe Terra se exalta e nos retribui de forma justa e incontestável.
Há que se alertar sempre, há que se criticar a todo instante, porque a paciência da Mãe Natureza tem limites e, às vezes, há caminhos que não têm volta.

Mariza C C. Cezar disse...

Meus Amigos, Flavio Tallarico, Jouwana Whintaker e Carlos Gama, vocês muito me alegram e incentivam e me fazem honrada e grata ao carinho com que recebem meus recadinhos, minhas "COISAS DE MARIZA" Abraços, Nariza C.C. Cezar

Anônimo disse...

Mariza, voce é porta-voz de nossas queixas, nossos temores, também do estrago que fazemos a cada dia com a nossa Mãe-Terra. Oarabéns pelo texto. Abraço amigo, Cida Micossi.