domingo, 12 de novembro de 2017

ESTÓRIA DO SENHOR GAVIÃO



                           Hoje lhes apresento  a releitura de poesia postada nos primórdios deste Blog, agora como um pequeno conto:
                                                                             
                                                                                   

                                           ESTÓRIA DO SENHOR GAVIÃO
                                                       

                Houve um tempo que de tanto ouvir algumas histórias e outras estórias e “causos” familiares,  sonhava dormindo ou acordada, com o que ouvia das tias e tios, e me encantava e sonhava revivendo cada caso, cada personagem dos muitos referidos nas memórias familiares.
                Entre as figuras lembradas, uma das que mais me apaixonou foi a de um bisavô e até gostaria de ter como sobrenome um dos seus, aquele que mais me empolgava e despertava minha imaginação e admiração.
                Foi meu bisavô materno, pai de minha avó a mãe de minha mãe.
                Era homem afeito às ervas, caboclo de outras eras, homem forte, homem bom!
                Esse Senhor Gavião era senhor de suas terras, de cultivo, pasto e matagal e também poder-se-ia dizer que era entendido em botânica, química e medicina. Com amor, ele cultivada heras, plantas as mais diversas que misturava e administrava aos doentes seus, e isso o fazia com amor e dom dado por Deus, tratava-os com o que hoje chamamos de fito terapia e antigamente simplesmente de mezinhas, os chás,xaropes, unguentos, compressas e cataplasmas de ervas e heras.
                Suas curas correram léguas, de sua ciência foi o povo, aos poucos tomando consciência e as tropas, em cavalos burros ou éguas, do mais longínquo sertão, num crescendo, começaram a chegar.
                  Os homens pedindo a rogar ao senhor daquelas terras, a graça de a seus doentes curar, e ele, homem de tantos afazeres, senhor de terras e dos seus, não pôde ou não soube, por seus princípios cristãos, fugir ou negar ajuda a seus irmãos.
                Em amor e caridade, aquele Senhor Gavião, homem direito e às antigas, crente por formação, passou às gentes a ajudar, aos doentes curar com amor e dedicação,” sem hum mil réis” cobrar, em gênero ou espécie, pois o que fazia, fazia como uma prece de amor e gratidão!
                Gratidão ele tinha à mãe natureza e àquela beleza de dom que Deus lhe deu!
                   Me orgulho desse meu ancestral!
                Sinto carinho por ele e sua história de homem sábio, probo e bom.
                Que Deus o tenha, Senhor João Crisóstomo Pires Gavião!
                Com vocês deixo agora sua história, que tanto minhas fantasias povoou!
                                                              
                                                               Mariza C.C. Cezar
                                                         
                                                                                     
                                                                             

2 comentários:

jouvana Coluci disse...

Costumo dizer assim: gente do bem!! Sr Gavião um homem sábio e humilde de coração ❤️. Adorei Mariza

Flávio Tallarico disse...

Cara amiga: este senhor Gavião, intrépido e arrojado, além da sua sabedoria deixou um rico DNA para as suas gerações de descendentes, entre as quais você também foi premiada. Tanto que esta sabedoria permite a você escrever suas belas crônicas. Parabéns e um abraço.